O Largo da Guarita


A guarita, para os que não a conheceram, era um prédio pequeno e característico que teve fundamental participação no desenvolvimento da área em que se localizava. Edificada na década de vinte, ela media cerca de quatro metros de frente por quatro metros de fundo e tinha uma altura aproximada em oito metros. Era dotada de um pavimento térreo, onde era guardado o equipamento para a manutenção da linha de ferro e outro superior, que servia de abrigo para o operador da chave seletora e desvio de estradas para Cocal ou para a localidade Igaraçu. O operador zelava o prédio e ainda o curral de animais, de propriedade da Estrada de Ferro Central do Piauí. O prédio era pontado de amarelo com portas e janelas verdes e ficava localizado às margens da linha férrea no trecho compreendido entre as ruas Caramuru, Anhanguera, Princesa Isabel e Três de Maio.

Depois que a linha do Igaraçu foi desativada o prédio perdeu parte da sua função, servindo apenas como depósito de equipamentos. Mais tarde, o prédio da guarita foi usado como porto policial para atuar no combate aos frequentes crimes praticados naquela região.
Em torno da guarita surgiram casas de atendimento aos habitantes daquele lugar, formando o complexo comercial onde se localizavam vários cortiços, os populares cabarés, com destaque para o “Cabeleira” e a afamada “Figueira”, que faziam atendimento noturno e eram palco de muitas complicações passionais e até criminosas.

Do Largo da Guarita iniciava a “Cidade de Tromba” que era o nome como se conhecia o bairro Santa Luzia, na década de sessenta. Foram construídos o cine Guarita, o mercado, na Rua São Pedro, o Posto Shell, com o seu característico formato de “ferro de engomar”, o cruzeiro, no início da rua anhanguera, a sede da amplificadora São Francisco, de onde eram dedicadas “Páginas musicais” entre os enamorados da época, que eram proibidos de aparecer em público e, por isso, escondiam-se atrás de pseudônimos criativos e dedicatórias apaixonadas. Criaram a fama os restaurantes familiares, que serviam boa alimentação e atrativos para pessoal que apreciavam o cardápio feito de miúdos de animais.

Na Rua Princesa Isabel. Próximo à Praça Genésio Pires, ficavam os carros de praça; jipes prontos para transportar passageiros para os diversos pontos da cidade.

No início da década de setenta, a Estrava de Ferro Central do Piauí já sofria forte desinteresse pela linha férrea Teresina-Parnaíba, provocado pela frequência dos usuários pelo transporte rodoviário, quando foram desativados, muitos setores da empresa e foram destruídos o curral de animais e a guarita, que estavam obsoletos.

Tão importante foi o prédio para a localidade que ainda hoje o bairro São Francisco é conhecido como Guarita, mesmo depois de muito tempo da demolição do referido prédio.

Fonte: Ribeiro, A. R. “Parnaíba - Presente do Passado”. Parnaíba: Ferraz, 2003. P. 97-100. Edição: Jornal da Parnaíba
Share on Google Plus

About Cleidiomar Sousa

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Comments

Featured