Justiça condena ex-gestores de Cristino Castro (PI) e empresários por improbidade


                                                                              MPF
Utilizaram recursos do Fundef e do FNDE sem os procedimentos licitatórios devidos
A pedido do Ministério Público Federal (MPF) no Piauí, a 3ª Vara da Justiça Federal condenou o ex-prefeito do município de Cristino Castro (PI), Petrônio Martins Falcão; o ex-presidente da Comissão de Licitação do Município, José Ferreira Neto; Francisco das Chagas Silva; Antônio Sobrinho da Silva; Francisco de Assis Carvalho ( representantes legais de duas construtoras, pela prática de atos de improbidade administrativa, cometida durante o mandato do ex-prefeito, entre os anos de 2001 a 2004. 
A ação civil pública, de autoria do procurador da República Kelston Pinheiro Lages, durante o primeiro ano da gestão, 2001 e 2004, do ex-prefeito Petrônio Martins Falcão, na Prefeitura Municipal de Cristino Castro, ao realizar reforma em algumas unidades escolares do município, utilizando recursos do Fundef e do FNDE, não foram realizados os procedimentos licitatórios devidos. 
O Juízo da 3ª Vara Federal julgou parcialmente procedente o pedido do MPF e condenou o ex-prefeito de Cristino Castro (PI) Petrônio Martins Falcão, e o ex-presidente da Comissão de Licitação do Município, José Ferreira Neto por improbidade administrativa, às penas: 1) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 15.000,00, cada um, a serem revertidos em favor do FNDE; 2) proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos; 3) ao pagamento das custas processuais, pro rata. 
O Juízo também condenou os representantes legais de duas construtoras, Antônio Sobrinho da Silva; Francisco de Assis Carvalho e Francisco das Chagas Silva, às penas: 1) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 20.000,00, cada um, a serem revertidos em favor do FNDE; 2) proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos; 3) ao pagamento das custas processuais, pro rata. 
Cabe recurso contra a decisão.
Ação Civil Pública de Improbidade – Processo nº 0007083-52.2008.4.01.4000 (Número antigo: 2008.40.00.007096-2).
Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Estado do Piauí
Share on Google Plus

About Cleidiomar Sousa

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Comments

Featured