MPE pede devolução de R$ 200 milhões dos consignados e processa ex-secretário



Promotor Fernando Santos é o autor da Ação/Wilson Filho/Cidadeverde.com
O Ministério Público do Estado ingressou com ação civil pública pedindo o ressarcimento de mais de R$ 200 milhões referente aos empréstimos consignados no ano de 2017. 
Segundo o promotor Fernando Santos, autor da ação, a representação é com base na auditoria do TCE (Tribunal de Contas do Estado). O ex-secretário de Fazenda, Rafael Fonteles e o Contador Geral do Estado, Ricjardeson Dias, são citados por supostas irregularidades nas transferências de valores. 
"Houve prejuízo para os servidores sobretudo para o Iaspi/Plamta", garante o promotor. 
A ação foi impetrada pela 44ª Promotoria de Justiça de Teresina na Vara dos Feitos da Fazenda Pública nesta segunda-feira(03). 
As irregularidades teriam ocorrido em consignações do Iaspi Saúde, Plamta, planos de seguros, empréstimos, financiamentos e entidades representativas de classe. 
O promotor Fernando Santos informou que ainda em 2017, havia instaurado um Inquérito Civil Público cobrando valores atrasados ao IASPI e que chegou a realizar uma audiência na tentativa de regularizar tais pagamentos. 
“Na audiência, representantes da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz) teriam confessado a existência de um problema estrutural de pagamento no Governo e, em decorrência deste fato, os valores teriam sido utilizados para complementar a folha do Estado. Ainda no mesmo ano, a Diretora do Iaspi encaminhou ofícios à Sefaz cobrando a transferência dos valores oriundos da arrecadação. No entanto, até o final do exercício de 2017, o ex-secretário de Fazenda deixou de repassar o valor de R$ 200.379.782,34, referentes às consignações”, informa o promotor. 
Contabilidade ilegal
O promotor informou ao Cidadeverde.com que ajuizou ação contra o contador Ricjardeson Dias por contabilidade ilegal.
"O contador é responsável pela contabilidade do estado e fechou balancetes sem considerar a dívida, realizando um procedimento contábil ilegal". 
Na Ação Civil Pública, o promotor alega ainda que em uma auditoria realizada pelo TCE constatou irregularidades com os repasses ao IASPI de duas maneiras: através do cancelamento sem previsão legal de despesas com pessoal e liquidações, bem como de passivos de consignações retidas em folha pelo Poder Executivo.
Com isso, a Ação Civil Pública requer a condenação por improbidade administrativa e pede indisponibilidade dos bens dos réus e ressarcimento de danos ao erário na quantia de R$ 200.379.782,34. Além, também, da perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração percebida e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário pelo prazo de três anos.
A notificação dos réus deve ocorrer em até 15 dias nos quais devem apresentar resposta escrita. O Cidadeverde.comtentou contato com o ex-secretário Rafael Fonteles, mas não obteve sucesso. 
A Secretaria Estadual de Fazenda informou em nota que não foi notificada sobre a ação.
Caroline Oliveira e Yala Sena
redacao@cidadeverde.com
Share on Google Plus

About Cleidiomar Sousa

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Comments

Featured