sábado, 10 de novembro de 2018

Centenário de Alberto Silva: o legado deixado para o povo e a história do Piauí

Se estivesse vivo, Alberto Tavares e Silva, completaria 100 anos de idade neste sábado (10/11). O ex-governador e ex-senador do Piauí morreu em setembro de 2009, deixando um legado para o estado.
Alberto Silva morreu no exercício do segundo mandato não consecutivo de deputado federal. Ele foi governador do estado e senador da República em duas oportunidades, além de conselheiro da República na gestão de Fernando Henrique Cardoso.
Ele nasceu em Parnaíba em 1918, onde foi prefeito por dois mandatos. Sua gestão marcou pelas quantidade de obras, como alargamento de avenidas, rodovias e várias escolas.
Alberto Silva foi eleito deputado estadual em 1950, mas renunciou para assumir a direção da Estrada de Ferro de Parnaíba entre 1951 e 1953. No ano seguinte foi eleito prefeito de Parnaíba novamente.
Ao lado da esposa, Florisa Silva, em 1971 
Após várias disputas eleitorais sem sucesso e de assumir o comando de vários órgãos públicos, ele assume o Governo do Estado em 15 de março de 1971 sob indicação da ditadura militar, para realizar admirada.
Alberto Silva comandou obras importantes, em especial o desenvolvimento rodoviário e asfaltamento de estradas em todos estado.
Foi ele quem implantou a rodovia Transpiauí, com 400 km asfaltados, e promoveu a ligação de Luís Correia, na região norte, a Cristalândia, no extremo sul. Silva também construiu as estradas do Vale do Babaçu, asfaltou aeroportos, ampliou e reformou o Theatro 4 de Setembro, criou a Piemtur – Empresa Piauiense de Turismo, fez o Monumento aos Heróis do Jenipapo, em Campo Maior, e ampliou a rede de energia.
Sessenta municípios que antes utilizam energia de usinas a óleo diesel ou lenha passaram a receber a partir da Hidrelétrica de Boa Esperança, inaugurada em 1970. “Alberto Silva tirou o Piauí da ‘era da lamparina’”.
O então governador também construiu o Parque Zoobotânico, a estação rodoviária de Teresina, fez a ponte sobre o rio Igaraçu, em Parnaíba, construiu dique de proteção contra cheias nos rios Poti e Parnaíba, em Teresina, bem como ampliação da rede de abastecimento d’água com serviços novos em 22 cidades.

Em seu primeiro governo foi implantada a Universidade Federal do Piauí e ocorreu a implantação da primeira emissora de televisão do estado, empreendimento particular do professor Valter Alencar. Ele também instituiu a Ordem do Mérito Renascença do Piauí.
UFPI em 1980 
Após encerrar o mandato, Silva tentaria se eleger senador numa eleição bastante acirrada. Ele foi derrotado pelo também ex-governador Dirceu Arcoverde, que pertencia ao esquema liderado pelo senador Petrônio Portella. Silva assumiria o mandato com a morte do titular e tentaria voltar ao governo em 1982, mas sofreu nova derrota imposta pelo então governador Lucídio Portella, que apoiou a candidatura de Hugo Napoleão.
Estádio Albertão 
Em 1986 os dois fariam coligação histórica e ganhariam juntos as eleições, Alberto Silva como governador, Lucídio Portella como vice, contando ainda com a participação de dois outros ex-governadores na disputa ao Senado: Chagas Rodrigues e Helvídio Nunes. Chagas conseguira se eleger.
No segundo governo Alberto Silva fez o Parque Potycabana com sua piscina de ondas e também o metrô de Teresina, mas ficaria marcado pelo atraso de salários dos servidores, greves na educação, agressão contra professores e sindicalistas que faziam protesto na Praça do Liceu e concessão graciosa de contracheques no escândalo das GR’s, que eram as gratificações remuneradas mas que a oposição chamava de “gratificações de repouso”. Ele também fez a Barca do Sal e tentou revitalizar sem sucesso a navegação do rio Parnaíba, bem como a conclusão do porto de Luís Correia. Nesta época foi chamado pela revista "Veja" de "o governador trapalhão".
Antiga Potycabana 
Ele tentou ser prefeito de Teresina em 1992 mas perdeu para Wall Ferraz. Obteve a segunda colocação. Tentaria novamente ser prefeito em 1996 mas perderia para Firmino Filho. Foi eleito deputado em 1994, senador em 1998 e novamente deputado federal em 2006.
Alberto Silva deixou um legado de grandes realizações. “Petrônio Portella foi o maior político da história do Piauí. Alberto Silva foi o maior administrador que já tivemos”, afirma o ex-deputado Roberto Raulino, que teve cinco mandatos e foi contemporâneo. “Ele não cuidava em coisas miúdas, como as futricas políticas do dia a dia do palácio, ele cuidava em preparar o Piauí para o futuro. Foi esta a sua maior herança”, declinou.
Editada de uma matéria original de Toni Rodrigues no 180graus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...