MP Eleitoral representa mais uma candidata e partido por uso ilegal da candidatura de Lula



A candidata ao cargo de senador Albetiza Moreira e o PCO
Foto Ascom
O Ministério Público Eleitoral, por meio do procurador regional eleitoral no Piauí, Patrício Noé da Fonseca, ajuizou a Representação nº 0601807-69.2018.6.18.0000 por propaganda eleitoral irregular contra o Partido da Causa Operária (PCO) e a candidata ao cargo de senador pelo PCO, Albetiza Moreira de Araújo.
A representação teve como base denúncia encaminhada a Procuradoria Regional Eleitoral, registrada sob o nº PR-PI-00025011/2018, onde na inserção veiculada na programação do horário eleitoral gratuito de ontem, 2 de outubro, a candidata não só propala fato sabidamente inverídico capaz de exercer influência perante o eleitorado, que é a candidatura à Presidência da República de Luiz Inácio Lula da Silva, como ainda pede votos para ele, indicando o número 13.
Para o PRE, são fatos notórios, porém, que o Tribunal Superior Eleitoral indeferiu em definitivo o requerimento de registro de candidatura do Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, nos autos do RCand nº 0600903-50.2018.6.00.0000, Rel. Min. Luís Roberto Barroso, e que a Coligação “O POVO FELIZ DE NOVO” (13-PT/65-PC DO B/90-PROS) requereu a substituição pelo Sr. Fernando Haddad, a qual foi homologada pelo TSE.
Para Patrício da Fonseca, a prática dos Representados configura, primeiramente, “invasão de horário”, vetada pelo Art. 53-A da Lei nº 9.504/97, praticada a favor do candidato majoritário da Coligação “O POVO FELIZ DE NOVO” à Presidência da República (FERNANDO HADDAD - 13), que é quem se beneficia do engodo em que é enredado o eleitor que acredite na mentira propalada na propaganda eleitoral ora impugnada.
Por outro lado, a aparição de Luiz Inácio Lula da Silva no horário eleitoral gratuito dos Representados, ainda que na condição de mero apoiador de campanha, jamais poderia ultrapassar o limite de 25% (vinte e cinco por cento) do tempo total do programa ou inserção, mas, como se vê na mídia, tal participação chega aos 100% (cem por cento), infringindo também o Art. 54 da Lei nº 9.504/97.
Na representação, o procurador regional eleitoral pediu ao Tribunal Regional Eleitoral do Piauí: a) a concessão de liminar determinando à candidata e à coligação que suspenda a veiculação da propaganda ora impugnada, com a fixação de multa em caso de descumprimento, sob as penas do Art. 347 do Código Eleitoral; b) no mérito, a confirmação dos efeitos da tutela provisória, para o efeito de decretar a suspensão da veiculação da propaganda ora impugnada e a perda de tempo equivalente ao dobro do usado na prática do ilícito, no período gratuito subsequente, dobrada a cada reincidência, na forma do Art. 55 da Lei nº 9.504/97.
Confira a íntegra da representação em www.mpf.mp.br/pi
Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Estado do Piauí
www.mpf.mp.br/pi
prpi-ascom@mpf.mp.br
Share on Google Plus

About Cleidiomar Sousa

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

Comments

Featured